O que todo mundo deveria saber sobre identidade visual

Agência Noise > blog noise  > design  > O que todo mundo deveria saber sobre identidade visual

O que todo mundo deveria saber sobre identidade visual

Tudo começa quando você ainda está dentro da barriga da sua mãe.

 

Os debates se iniciam: Menino ou menina? Que nome escolher? Qual será a cor dos olhos? Grande ou pequeno? Magro ou gordinho? E aí por diante. No dia que você chega nesse mundão, cercado de pessoas doidas pra te conhecer, você já tem um nome, um quarto com as coisas que deve gostar e uma expectativa enorme pra corresponder. O tempo vai passando e suas características mais marcantes vão te tornando reconhecível em qualquer lugar que passa: “ah, aquele cara de olhos azuis da cor do céu?”, “aquela menina que canta tão bem?”, e por aí vai.

 

A identidade visual de uma marca não foge em absolutamente nada dos procedimentos que nós, seres humanos, passamos desde antes de nos reconhecermos por gente – e por isso seu conceito é tão fácil de ser compreendido.

 

Tudo começa com o nascimento de uma ideia e, à partir daí, vão se lapidando os pontos mais importantes para uma comunicação efetiva. Ou seja, cria-se um nome para a empresa, um logotipo, uma paleta de cores, uma família de fontes e pronto: eis uma empresa pronta para correr atrás de corresponder às expectativas nossas de cada dia. O conceito é fácil e a prática parece um processo simples, não é? Então, não é.

 

Para começar, a criação de um nome requer atenção extrema e pesquisas aprofundadas. É importante atentar-se sempre para a pronúncia da palavra, sua sonoridade e escrita – não é interessante constranger as pessoas com palavras impronunciáveis ou escritas complexas, isso vai afastá-las do contato com sua marca (quem, em nome dos santos, sabe pronunciar ou escrever Schwarzkopf? – sim, o Google). Preste atenção, também, aos estrangeirismos: algumas palavras que podem parecer legais às vezes tem significados esquisitos ou inadequados em outras línguas e, imaginando que a internet está aí, o alcance da sua empresa (ou das mensagens emitidas por ela) tem potencial para ser global. Vale não arriscar. Por fim veja sempre as questões legais da escolha do nome, busque por registros no INPI e não se esqueça de consultar um advogado para ver se sua escolha se enquadra como imagina. O mesmo serve para a busca de domínios e redes sociais! Muitas marcas não estão registradas corretamente no INPI o que não significa que não estarão presentes nas redes sociais ou meios digitais. Por isso não adianta o nome ser simples se o domínio não está liberado ou as redes sociais saturadas de coisas similares – pesquise por esses detalhes antes de decidir qualquer coisa.

 

A criação do logotipo segue a mesma linha de complexidade do nome. Você já parou para pensar quantos logos existem no mundo atualmente? Agora imagine criar algo que seja original, comunique o necessário, seja agradável visualmente, e busque ser o mais atemporal possível? Esses são os desafios enfrentados rotineiramente pelos designers, que estão constantemente aprimorando suas pesquisas e conceitos para entregar logotipos milimetricamente estudados e eficientes. As cores – apresentadas tanto no logo quanto em uma paleta de cores (que pode ser usada em peças gráficas, por exemplo, sem necessariamente comporem o logotipo) – possuem uma significação própria e estimulam o inconsciente humano em níveis que nem podemos imaginar. Quer dizer então que as marcas, quando bem construídas, buscam passar uma mensagem também através das cores? Sim! Demais!

 

Os componentes de um logotipo são escolhidos à dedo e fazem parte de um plano maior do que aparenta. A seleção das fontes, por exemplo, é um processo complexo que deve direcionar a comunicação. As fontes serifadas normalmente remetem à uma mensagem mais tradicional enquanto as fontes sem serifa são utilizadas para comunicações mais modernas. É impressionante a diferença que a escolha da fonte faz no resultado final! Vale ainda dizer que em alguns casos as fontes podem inclusive ser criadas especialmente para determinadas marcas como é o caso da Coca-Cola e da Disney.

 

Todos esses tópicos compõe a identidade visual de uma marca, ou seja, os elementos pelos quais ela será lembrada e reconhecida. Com isso em mente, te pergunto: sua empresa tem uma identidade visual bem definida?

 

 

 

No Comments

Post a Comment

Comment
Name
Email
Website